jusbrasil.com.br
24 de Junho de 2017

Em uma escala de 01 a 05, sendo 01 totalmente desconfiado e 05 plena confiança. Qual nota voce dá ao seu banco?

Pesquisa

Eduardo Terovydes Junior
há 7 meses

Perguntas que não se calam:

  • Bancos sempre lucram;
  • Bancos não lidam com dinheiro próprio;
  • Bancos lucram com o dinheiro alheio;
  • Gerente de banco é vendedor;
  • Os funcionários são explorados;
  • Ir na agência é desnecessário na maioria dos casos;
  • Seus mais profundos sentimentos serão usados contra você;

Vamos agora as verdades que ninguém te falou sobre bancos.

SEU DINHEIRO NÃO ESTÁ LÁ DE VERDADE

O sistema bancário brasileiro e mundial opera com a premissa de que a maioria dos correntistas não saca todo dinheiro de uma só vez e ao mesmo tempo.

Com isso viram uma oportunidade de usar o dinheiro dos outros para lucrar.

” Como assim? “, você diz. Explico.

João foi ao banco A depositar R$ 1000,00. Com esse dinheiro, e utilizando o sistema de reservas fracionadas, 10% do dinheiro fica de fato no banco e os outros 90% é utilizado para emprestar.

Paulo pega os R$900,00 do banco A e vai depositar no Banco B. Este empresta ao Fernando (R$810,00) que depoista no Banco C e assim sucessivamente.

João acredita que seus R$1000,00 ainda estão no banco A assim como Paulo acredita que seu dinheiro (R$900,00) está no banco B e o mesmo acontece com o Fernando no banco C.

Se somados os três bancos possuem R$ 2710,00 porém tudo começou com mil reais no banco A.

Para quem percebeu, houve uma multiplicação do dinheiro com pouca garantia em moeda física. Agora imagine esse cenário para milhões de clientes e com vários bancos.

Há muito dinheiro fictício criado para pouco dinheiro real.

E se todos resolvessem sacar simultaneamente?

Os bancos quebrariam pois não teriam como repor para todos. A isso chama-se insolvência.

Lembrando que insolvência não é falta de dinheiro e sim falta de lastro em moeda física.

“Não ententi, Felipe”

TÍPICO CENÁRIO PRÁTICO

Digamos que o (a) leitor (a) tenha feito um pedido em uma pizzaria. Após 30 minutos o entregador chega na sua casa.

Ao abrir a porta, você é informado (a) do valor do serviço. Você saca seu cartão de débito ou crédito ou assina um cheque. Ai o entregador diz:

” Só aceitamos dinheiro!”

Você sai correndo em busca de dinheiro, porém nada encontra. O entregador vai embora com sua pizza.

Você estava quebrado?

Não, pois tem dinheiro em conta bancária.

Estava insolvente?

Sim, pois não havia lastro em dinheiro real.

Todos os bancos que quebraram em função de crises econômicas tiveram um ponto em comum: o saque em massa dos correntitas, A esse fenômeno é chamado de a corrida aos bancos.

Esses agentes financeiros não tinham lastro físico, logo não podiam ressarcir todos os correntistas. Os primeiros felizardos saíam com a grana porém os que ficavam por último não.

Em momentos como esse gera-se uma crise sistêmica em que bancos quebram simultaneamente pois a população, desesperada, sai correndo para sacar seu dinheiro em outras insituições bancárias pois escutou ou descobriu que um concorrente havia falido.

PRODUTOS BANCÁRIOS NÃO PRESTAM PARA A MAIORIA DOS CASOS

Podemos citar alguns:

  1. Previdência;
  2. Seguro;
  3. Capitalização;
  4. Poupança (que não seja para reserva);

Isso é o máximo que os bancos voltados para o público em geral oferecerão para você pois como o valor em conta na maioria dos casos é pequena, e por terem um grande volume de clientes, não há muita vantagem em proporcionar alternativas rentáveis.

Como mencionado no artigo anterior, o gerente empurrará aquilo que for mais vantajoso para ele, afinal ele trabalha com metas.

Para clientes mais endinheirados, as alternativas serão bem diferentes mesmo porque boa parte deles estará em segmentos diferenciados mesmo estando no mesmo banco, por exemplo, varejo para a população em geral e setor private para aqueles com mais aportes financeiros.

TÍTULO DE CAPITALIZAÇÃO É SORTE

Em algum momento já foi falado para você sobre a incrível capitalização.

Como ele, concorre-se a diversos prêmios e, para isso é necessário débitos mensais. Dependendo do título são prêmios mais ou menos valiosos com débitos maiores ou não.

Por exemplo, existe um tipo de capitalização em que é cobrado um único valor durante toda a sua vigência.

Em troca, ao final do período, o valor acumulado volta para você com uma correção monetária (geralmente a caderneta de poupança) de um único mês.

Sinto dizer que se o leitor tem um certo valor retirado da sua conta para concorrer a prêmios, então o temos aqui um produto voltado para sorte e não para investimento.

Investir significa ter seu valor patrimonial aumentado cada vez mais e não ao contrário. Perder grana com a justificativa de concorrer a prêmios não é algo digno de se entrar.

E tem um pequeno detalhe.

Se retirar o dinheiro durante o tempo em que foi “investido”, é capaz de sair com menos do que quando entrou. E depois que assina o contrato……não tem mais volta!

Qualquer argumento, por mais certo que seja, acaba quando é mostrado sua assinatura no contrato e a conivência do gerente. Fique de olhos bem abertos.

Voltando a tópico anterior, tudo se resume a metas. Precisam acumular o máximo que conseguirem e, para isso contarão histórias de como é maravilhoso adquiri-lo. Sempre escutará histórias de alguém ganhando, porém não justifica de que valha a pena.

O errado continua errado mesmo que todos estejam fazendo. O certo continua certo mesmo que ninguém esteja fazendo.” (Autor desconhecido)

DEPENDENDO DO VALOR EM CONTA, VOCÊ SERÁ TRATADO DIFERENTEMENTE

Pessoas que atendem certos pré-requisitos da sociedade serão tratados de forma bem diferenciada.

Pessoas bonitas terão uma vida mais fácil do que aquelas desprovidas de beleza. De acordo com a revista Galileu (link da matéria aqui), pessoas bonitas possuem uma vida mais fácil em todas as esferas, seja pessoal, profissional, afetiva e amorosa.

Segue embaixo a citação do economista americano Daniel Hamermesh em seu livro Beauty Pays: Why atractive people are more successful (A beleza rende: por que as pessoas atraentes têm mais sucesso).

“Ter uma boa aparência, de acordo com diversos estudos, faz com que um criminoso receba penas menores, um professor seja melhor avaliado entre os alunos e um atleta ganhe salários mais altos.”

O mesmo princípio também vale para pessoas com mais dinheiro. Aqueles que são mais endinheirados geralmente serão aqueles com mais poder, por representar um objeto de status e consumo pessoal. Consequentemente, será bem tratados por ambos os sexos.

Não é atoa que status é algo perseguido por muitos.

Portanto, os produtos bancários escolhidos serão outros (citados em meu blog O Dinheirista e que estará ao alcance de todos em breve).

Falar se é ou não moralmente ou eticamente correto não vem ao caso. O foco aqui é mostrar como a realidade doa a quem doer.

Alguém já conviveu com alguma pessoa bonita ou com muito dinheiro? Percebeu a diferenca de tratamento?

Infelizmente é a vida!

Alguns são altos, outros são baixos.

Alguns são magros, outros são gordos.

Alguns são bonitos, outros são feios.

Alguns serão bem tratados, outros não.

“Ninguém inveja o feio ou o mal sucedido, e sim o bonito ou aquele que obtém êxito na vida” (Autor Desconhecido)

BANCOS PEQUENOS PODEM SER TÃO BONS QUANTO OS GRANDES

Reparem que eu disse que PODEM ser e não que são melhores.

Normalmente os bancos médios e pequenos são lembrados quando procuramos investir em modalidades cujas rentabilidades são maiores do que aquelas encontraradas em instituições maiores.

A exemplo cito o CDB, LCI (letra de crédito imobiliário) e o LCA (letra de crédito para agronegócio). Seus % CDI são elevados e atrativos.

Porém perde-se o foco no objetivo principal que é saber se o banco é ou não confiável. Perguntas a serem feitas são:

  • Com que tipo de modalidade o banco trabalha?;
  • Ela é uma instituição sólida?;
  • Ela é nova ou já tem um tempo operando?;
  • Ela já foi socorrida por alguma instituição, seja pelo FGC ou por algum grande investidor?

Pessoas que investem produtos nela se baseiam em duas justificativas:

  1. Sua nota de risco é confiável o suficiente;
  2. Possui garantia do FGC (Fundo Garantidor de Crédito);

Garanto ao leitor que ninguém conhece bem ambas justificativas. Na maioria dos casos são dadas por corretoras e outras instituições de forma bem passageira, alimentando expectativas para o leitor.

Não esquecamos dos interesses de corretoras nesses mesmos bancos médios e pequenos pois as aquelas possuem contas nessas instituições, logo você será convencido de que valhe a pena (fora as possíveis comissões que ambas devem levar nisso tudo).

Reflita comigo:

  1. Se você fosse investir em ação, não iria querer saber sobra a empresa investida?;
  2. Não iria querer saber sobre os negócios dela?;
  3. Ela é estável e possui dívida controlada?;

Aprenda mais sobre elas. Saia do lugar comum!

BANCOS COMPRAM UNS AOS OUTROS

Não poderia deixar de mencionar algumas fusões mais recentes como a do Itau-Unibanco concentrando ainda mais o crédito financeiro entre os maiores.

Ou então o caso do Banco Santander com o Bando real.

Ou ainda a compra dos ativos do HSBC pelo Banco Bradesco ainda esse ano (2015).

Fusões e compras acontecem todo ano a todo tempo. Faz parte do mercado competitivo. Quando há interesse das duas partes, a união é praticamente certa, não importando seu grau de risco ou cobertura do FGC.

Isso vale também para bancos médios e pequenos. Esses são mais propensos dado sua pequena expressão no mercado e por estarem mais vulneráveis a oscilações econômicas.

O que fazer em relação a isso?

Não há o que fazer pois não temos controle desses eventos. Se os acionistas minoritários não fazem tanta diferença na hora da compra ou da venda, imagine pessoas sem participação no banco. Esteja ciente de que pode acontecer pois é perfeitamente normal.

TERMINANDO

Chegamos ao final da segunda e última parte do nosso post. Nele vimos que:

  • Seu dinheiro não está lá de verdade;
  • Produtos bancários não prestam;
  • Título de capitalização é sorte;
  • Dependendo do valor em conta, você será tratado diferentemente;
  • Bancos pequenos podem ser tão bons quantos os grandes;
  • Bancos compra uns aos outros;

Espero que tenham gostado, Se houver algo a acrescentar por favor, me deixe informado.

Abraços e bons investimentos

9 Comentários

Faça um comentário construtivo para esse documento.

Não use muitas letras maiúsculas, isso denota "GRITAR" ;)

Para entender um dos princípios de Economia.

Ao contrário dos Bancos que lucram com o dinheiro alheio!

Numa pequena cidade, os habitantes endividados passam um mau momento vivendo às custas de crédito.

A sorte chega com um gringo, que procura o único hotel da cidade.
O gringo saca uma nota de R$ 100,00, deposita-a no balcão e pede para ver um quarto.

Enquanto o turista sobe ao quarto, o gerente do hotel sai correndo com a nota de R$ 100,00 e vai até o açougue pagar suas dívidas ao açougueiro.
O açougueiro pega a nota e vai até o criador de suínos a quem deve. Paga tudo.
O criador, por sua vez, pega a nota e corre ao veterinário liquidar sua dívida.
O veterinário, com a nota de R$ 100,00 em mãos, decide ir à zona pagar o que devia a uma prostituta. (Expliquemos: em tempos de crise, a categoria também trabalha a crédito. )
A prostituta sai com o dinheiro em direção ao hotel, onde levava os clientes. Ultimamente, deixara de pagar pelas acomodações. Liquida a conta de R$ 100,00.

Nesse momento, o gringo chega novamente ao balcão, pede sua nota de R$ 100,00 de volta, agradece e diz que o hotel não correspondeu às suas expectativas.
Sai do hotel e vai embora da cidade.

Ninguém ganhou um vintém !
Mas todos saldaram suas dívidas.

E, assim, os habitantes, mais felizes, começam a ver o futuro com confiança !

Moral da história: quando o dinheiro circula, não há crise! continuar lendo

Apesar deste site ser específico para assuntos jurídicos, acho importante que todos tenham alguma noção de economia, inclusive os advogados. O que eu tenho a acrescentar é que o banco só te empresta dinheiro quando você não precisa... afinal, para te emprestar ele quer uma garantia: seja um automóvel, um apartamento, uma parte do seu salário (empréstimo consignado), um amigo que tenha bens e esteja disposto a assumir sua dívida (fiador), etc. Quando você solicita um empréstimo o banco só aprova após verificar a sua capacidade de pagamento. Ora, se você pode pagar ao banco, então também pode vender seu automóvel para conseguir o dinheiro que necessita, ou economizar um pouco por mês para comprar à vista, etc. Sem o empréstimo, você estará se livrando de pagar juros caríssimos. O banco não estará te fazendo nenhum favor emprestando dinheiro, até porque se ele entender que você não tem capacidade de pagamento além de não possuir bens como garantia, ele NÃO emprestará o dinheiro, por mais nobre que seja o motivo do seu pedido (tratamento de saúde do seu filho, por exemplo). continuar lendo

Excelente artigo. continuar lendo

O artigo demonstra que o economês é totalmente desnecessário. Parabéns por ter traduzido vários aspectos econômicos de uma forma simples e objetiva. continuar lendo